domingo, 29 de julho de 2012

Seleção brasileira enfrenta os gigantes de Belarus

Thiago Silva vai encarar adversários mais altos que ele

Mano Menezes pode acrescentar mais uma à sua já extensa lista de preocupações. A seleção brasileira enfrenta neste domingo, às 11h (de Brasília), a equipe mais alta do torneio masculino de futebol.
O rival em questão é Belarus, cujos 18 jogadores inscritos na Olimpíada têm, em média, 1,86 m. Só há dois atletas no elenco com menos de 1,80 m --e ambos têm 1,79 m.
Se vencer em Manchester, no mítico estádio Old Trafford, o Brasil praticamente assegura sua classificação para as quartas de final.
Belarus também venceu na estreia, fez 1 a 0 na Nova Zelândia, rival da seleção na quarta-feira pela última rodada da fase de grupos.
O confronto contra os gigantes bielorrussos ocorre no momento em que a seleção brasileira encolhe. Em relação à era Dunga, o porte físico deixou de ser importante.
Jogadores grandes, como Maicon, Kaká e Luis Fabiano, perderam espaço. As esperanças do time nacional agora são Neymar (1,74 m), Marcelo (1,73 m) e Oscar (1,79 m).

A equipe titular de Dunga na Copa da África media 1,83 m em média. A seleção atual tem média 2 cm menor. "Eu jogo na Inglaterra, então estou acostumado a enfrentar caras grandes", disse o lateral do Manchester United Rafael, 1,72 m, o menor jogador de Mano Menezes. "Nós também temos alguns jogadores altos, como o Sandro e o Leandro Damião."
A seleção encolhe na contramão do que faz a maioria dos clubes brasileiros. Os times exigem altura mínima dos garotos que tentam entrar nas categorias de base. "Passamos muito tempo formando jogadores para vender ao mercado europeu", comentou Mano.
"Mas, com exceção desse período, nossa característica determinante sempre foi a qualidade técnica", disse o treinador. "A Espanha também mostrou que se pode trabalhar com outros critérios."
Mano tem mais preocupações para o jogo contra Belarus. Na estreia diante do Egito, o Brasil venceu por 3 a 2, mas exibiu grandes defeitos, sobretudo no segundo tempo, com e sem a bola.
Não foram poucas as vezes em que Rafael e Marcelo tiveram de voltar correndo à defesa, desesperados para tapar buracos às suas costas. "Existe hora para apoiar e hora para ficar", disse Mano, numa bronca pública a seus laterais. "O apoio só se justifica se houver um benefício no fim da jogada. Senão, é porque tem algo errado."
O zagueiro Thiago Silva admitiu que o time fica exposto às vezes. "Os nossos laterais são muito ofensivos, precisamos acertar isso com os volantes", disse o capitão.
O posicionamento de Sandro e Rômulo também tira o sono do técnico. "Nossos volantes jogaram abertos, e você precisa ter volantes centrais. Tomamos o segundo gol por falta de alguém ali.

Fonte: Folha