JOSÉ EUGÊNIO DE FREITAS LUNGUINHO73699942449 - CNPJ/MF Nº 33.846.695/0001-86

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

BRASIL X ARGENTINA: Empresário passa cheque sem fundo, “da calote” e vai ser indiciado

Foto de Argemiro Lima – Novo Jornal
Reportagem de Tiago Menezes do Novo Jornal mostro o nível deste empresário que trouxe o desafio Brasil e Argentina para Natal, vejam o “rolo” que esse rapaz colocou várias empresas. Segue:
O polêmico Desafio Internacional entre as seleções de Brasil e Argentina de veteranos, domingo passado, virou caso de polícia. O empresário carioca André de Paula, diretor da agência Fênix Sports, que promoveu o evento em Natal, apresentou um cheque sem fundos no valor de R$ 20 mil ao hotel onde as delegações ficaram hospedadas, na Via Costeira, e agora será indiciado por estelionato. Também teria sido ele o mentor da farsa em que o ex-atacante Daniel Cordone fingiu ser o craque portenho Claudio Caniggia durante o amistoso.
Na tarde de ontem, André prestou esclarecimentos na Delegacia Especializada de Falsificações e Defraudações (DEFD), no bairro do Alecrim, zona Oeste da capital potiguar e, logo em seguida, foi liberado. De acordo com a delegada Patrícia de Melo Gama, isso aconteceu porque não houve flagrante no caso, já que a tentativa de pagamento ocorreu na última segunda-feira, dia 24.
Funcionários do Serhs Natal e da TAM Linhas Aéreas, que emitiu as passagens dos atletas também estiveram no distrito policial.Segundo o empresário e conselheiro do ABC Flávio Anselmo, representante da TAM no Rio Grande do Norte, a empresa só recebeu R$ 19 mil dos R$ 65 mil que cobrou por 23 bilhetes aéreos – 18 para os argentinos e cinco para o time brasileiro. “Até agora nós só recebemos 30% do valor total acertado com os organizadores da partida”, afirmou.
O jornalista potiguar Alan Oliveira, diretor da agência de marketing esportivo 10 Sports, também foi lesado. Ele não revelou o valor cobrado pelo trabalho, mas garantiu que não recebeu pelo serviço de assessoria de imprensa do evento, prestado ao longo de duas semanas. “O pagamento deveria ter sido feito no dia do jogo”, disse.
Depois de aproximadamente três horas de depoimento, André de Paula deixou a sede da DEFD sem falar absolutamente nada com a imprensa. Questionado sobre as diversas acusações feitas contra ele, apenas silenciou. O NOVO JORNAL conseguiu apurar que, para obter o lucro desejado com o duelo Brasil x Argentina, André de Paula projetava um público total de 15 mil espectadores, que lhe renderiam aproximadamente R$ 750 mil.
O borderô extra-oficial, porém, aponta que apenas 10,8 mil pessoas estavam nas arquibancadas enquanto acontecia a disputa. A renda teria sido de R$ 540 mil, ocasionando um perda de R$ 210 mil no faturamento projetado pela Fênix Sports.Esse número foi calculado tomando por base o valor médio R$ 50 para cada ingresso. Mas os valores variaram entre R$ 15 e R$ 150, dependendo do setor do estádio escolhido pelo torcedor e da fase de vendas em que a compra foi realizada.
O consórcio que administra a Arena das Dunas não quis revelar o valor cobrado pelo aluguel do espaço, tampouco se a quantia foi devidamente paga pela Fênix Sports. A reportagem teve acesso à uma cópia do cheque entregue por André de Paula no hotel Serhs na última segunda-feira. Ele é assinado por Paula Cristina da Silva, que seria sogra de um suposto amigo do empresário, conforme informou a delegada Patrícia de Melo Gama.
Entretanto, André não soube informar o telefone ou o endereço do amigo misterioso. A reportagem apurou ainda que ele se contradisse em vários momentos durante o depoimento prestado à polícia.