JOSÉ EUGÊNIO DE FREITAS LUNGUINHO73699942449 - CNPJ/MF Nº 33.846.695/0001-86

segunda-feira, 9 de setembro de 2019

Hoje a Igreja recorda São Pedro Claver, protetor da população negra


“Ego Petrus Claver, etiopum semper servur (Eu Pedro Claver, dos negros escravo para sempre)”, escreveu uma vez São Pedro Claver, que, como missionário em Cartagena (Colômbia), tornou-se protetor da população negra e escravos.
Pedro nasceu em Verdú (Espanha), em 26 de junho de 1580. Aos 19 anos ingressou na Companhia de Jesus. Mais tarde, foi enviado como missionário para Nova Granada e ordenado sacerdote em Cartagena, em 1616.
Nas missões, opôs-se às injustiças da escravidão institucionalizada, na qual vendiam escravos para todo tipo de trabalho forçado.
Enquanto os escravos estavam presos para ser comprados, Claver os instruía e batizava, o que lhe causou mais de um problema. Chegou a ser incompreendido pelas pessoas do povoado e, em algum momento, até pelos superiores.
Entretanto, o santo continuava com sua obra, tornando-se um grande profeta do amor evangélico que não tem fronteiras, nem cor. Partiu para a Casa do Pai em 9 de setembro de 1654, no território da atual Colômbia.
São João Paulo II, que visitou o túmulo deste santo em Cartagena, em 1986, disse que “hoje, como no século XVII em que viveu São Pedro Claver, a ambição do dinheiro domina o coração de muitas pessoas e as converte, mediante o comércio da droga, em traficantes da liberdade de seus irmãos aos quais escravizam com uma escravidão mais temível, às vezes, do que ados escravos negros...”.
“Como homens livres a quem Cristo chamou a viver em liberdade, devemos lutar decididamente contra essa nova forma de escravidão que a tantos subjuga em tantas partes do mundo, especialmente entre a juventude, a qual é necessário prevenir a todo custo e ajudar as vítimas da droga a se libertar dela”, enfatizou.