'Partida sem torcida é mais triste do que dançar com a irmã', diz técnico da Espanha

Apesar de não gostar, treinador reconhece que medida é necessária em meio à pandemia de covid-19

'Partida sem torcida é mais triste do que dançar com a irmã', diz técnico da Espanha
Para Luis Enrique, o futebol pode ajudar as pessoas neste momento de confinamento (Foto: Albert Gea/Reuters)

O técnico da seleção espanhola, Luis Enrique, lamentou a realização de jogos com os portões fechados em alguns países europeus. Na opinião dele, embora seja necessário ter a prevenção por causa da pandemia do novo coronavírus, o ambiente sem torcida e o silêncio do estádio deixam as partidas sem graça.

Em entrevista nas redes sociais nesta quinta-feira, 22, o espanhol disse ter acompanhado os jogos do último fim de semana pelo Campeonato Alemão. Foi o retorno da competição, cercado por diversos cuidados em razão do surto mundial da covid-19. Todas as partidas foram disputadas com as arquibancadas vazias.

"Isto [portões fechados] é mais triste do que dançar com a própria irmã. Vi a Bundesliga e é lamentável. Ouvem-se os insultos e perde-se a intimidade dos bons momentos", comentou o técnico. Luis Enrique manifestou, no entanto, ser necessário compreender que tal situação é necessária para poder se retomar o futebol.

"Temos de entender que o futebol é um grande negócio, que gera muito dinheiro e, apesar de tudo, ajuda a passar esta fase de confinamento", afirmou o ex-meia e ex-treinador do Barcelona. Assim como na Alemanha, o próprio futebol espanhol deve ser retomado em breve da mesma forma: sem torcidas no estádios.

https://esporte.band.uol.com.br